CIEVS e NVEH participam de oficina de Investigação de Surto das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar

DSC_0120.JPG DSC_0120.JPG -
DSC_0147.JPG DSC_0147.JPG -
DSC_0114.JPG DSC_0114.JPG -

Cada dia mais engajados em capacitar profissionais da vigilância epidemiológica Estadual e Municipal, a Gerência de Doenças Transmissíveis realizou nesta terça e quarta-feira, 22 e 23 de novembro, no auditório da Superintendência de Vigilância, Promoção e Proteção à Saúde a Oficina de Surtos e Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar.

A oficina foi aberta pelos técnicos Rejane Maria Alves e José Nilton Gomes, da Unidade Técnica de Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar - UHA/CGDT do Ministério da Saúde e teve como objetivo, promover a estruturação de um sistema de vigilância integrado das Doenças Transmitidas por Alimento - DTA, no âmbito estadual, através da implantação e implementação da investigação dos surtos, permitindo conhecer o comportamento das DTA na população.

Com uma programação bem diferenciada, a oficina promoveu vários debates e discussões acerca do assunto e contou com a participação da equipe do CIEVS e técnicos dos Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar- NVEH do Estado do Tocantins. Participaram NVEH de Araguaína, Dianópolis, Guaraí, Gurupi, Miracema, Palmas, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional.

A Gerência do CIEVS apresentou o panorama organizacional do setor e os principais desafios a serem enfrentados no processo de investigação de Surto e Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar bem como a captura de rumores de surtos (veiculação na mídia).

Para a técnica da Assessoria dos NVEH Estadual, Patrícia Gomes, a oficina serviu para padronizar um atendimento de qualidade nas situações de surto nos estabelecimentos hospitalares Estaduais através dos Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar. “Tivemos uma grande adesão dos Núcleos na participação da oficina. Foi de grande importância para que possamos padronizar os atendimentos, a fim de, conter os possíveis surtos”, acrescenta Patrícia.

A oficina contou ainda com a participação de várias áreas da Vigilância Epidemiológica Estadual e Municipal.