Equipe CIEVS participa do 4º Congresso Norte e Nordeste de Secretarias Municipais de Saúde – COSEMS

Equipe CIEVS e Palestrantes Equipe CIEVS e Palestrantes -
Regina Coeli - Ministério da Saúde Regina Coeli - Ministério da Saúde -
Oficina de Surto Oficina de Surto -
Oficina de Surto Oficina de Surto -
Wagner Santos - Análise de Situação de Saúde Wagner Santos - Análise de Situação de Saúde -
Dr Juan José Cortez - OPAS Dr Juan José Cortez - OPAS -
Dr Juan José Cortez - OPAS Dr Juan José Cortez - OPAS -

A equipe CIEVS/TO participou do 4º Congresso Norte e Nordeste de Secretarias Municipais de Saúde e 2º Congresso de Secretarias Municipais de Saúde do Tocantins - COSEMS. O evento foi realizado de 18 a 20 de abril no Centro de Convenções Parque do Povo.  Os assuntos debatidos no Congresso foram: A governança e regionalização em saúde; Escuta e participação social; O direito à saúde e diversidade e transparência na Gestão Pública, além de, uma vasta programação com oficinas, roda de conversas, mostra de experiências, cursos e premiações . A participação da equipe   CIEVS/TO foi de grande importância no congresso, onde coordenou duas oficinas. A primeira teve como tema a ANÁLISE DE SITUAÇÃO COM FOCO NO MONITORAMENTO PARA TOMADA DE DECISÕES, coordenada pela Análise de Situação de Saúde e o Monitoramento e Descentralização, ministrada pelos Palestrantes Regina Coeli Pimenta de Mello, Consultora do Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde  e  pelo Dr. Juan José Cortez Escalante, médico pela Universidade Nacional San Luis Gonzaga - UNICA, no Peru, e Doutor em Medicina Tropical pela Universidade de Brasília - UnB. Atualmente é Consultor Nacional de Análise de Situação em Saúde na Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS/OMS. Os técnicos responsáveis pela coordenação da oficina foram Wagner Santos, Ricardo Lima e Danielle Rios.

 A segunda participação do CIEVS no Congresso, foi a oficina sobre INVESTIGAÇÃO DE SURTOS, coordenada pela  Gerente do CIEVS, Arlete Otoni e pela técnica do Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar, Patrícia Gomes. A oficina foi ministrada pelo Palestrante Marcelo Yoshito Wada, graduado em medicina veterinária pela Universidade Paulista (1998). Atualmente é supervisor do Programa de Treinamento Aplicado aos Serviços do Sistema Único de Saúde no Ministério da Saúde (EPISUS) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/ Ministério da Saúde (MS), atuando principalmente nos seguintes temas: zoonoses, surtos, epidemias, situações inusitadas em saúde e vigilância.

OFICINA INVESTIGAÇÃO DE SURTO

A Investigação de Surtos tem como objetivo principal buscar a identificação da sua etiologia, fontes, modos de transmissão e grupos expostos a maior risco a fim de, interromper a cadeia de transmissão e desenvolver ações em tempo oportuno. A oficina mostrou todas as etapas de uma investigação de surto. 

Esse foi o tom da oficina de investigação de surto que contou com um grande público e deixou os presentes bem informados sobre o roteiro para a investigação dos Eventos de Emergência em Saúde Pública. A comunicação também foi abordada na oficina, enaltecendo a importância de estimular a divulgação das investigações/ ações através de informativos/boletins/artigos científicos. Marcelo ressaltou ainda a importância da divulgação das informações para a imprensa de forma unificada a fim de deixar a população tranqüila em relação a possíveis surtos.

Com a finalidade de passar esse conhecimento teórico aos técnicos que atuam na vigilância estadual e nas secretarias municipais de saúde, foi realizada a oficina de investigação de surto. "A oficina irá contribuir com conhecimentos básicos e aprimorar o desenvolvimento da tríade na vigilância epidemiológica (INFORMAÇÃO-DECISÃO-AÇÃO), ampliando a capacidade de detecção precoce e respostas às Emergências em Saúde Pública, afirmou a Gerente do CIEVS, Arlete Otoni.

Com a oficina, os técnicos tiveram a oportunidade de receber o passo a passo de uma investigação de surto e a capacidade de gerar o relatório com o diagnóstico situacional, a fim de, interromper a fonte de trasnmissão. Foram apresentados vários exemplos de trabalhos realizados pelo Ministério da Saúde juntamente com os Estados e Municípios.

Durante a oficina, foi apresentada a experiência do CIEVS Estadual e Municipal com o evento dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas (JMPI) realizado em Palmas no ano de 2015, que apresentou a organização em interagir com os vários setores da Saúde, Educação, Segurança, Defesa Civil e da Secretaria dos JMPI em monitorar e dar respostas as ações das vigilâncias epidemiológicas, sanitárias e ambientais em tempo oportuno.

Para quem teve a oportunidade de participar da oficina, foi de grande valia. Os presentes receberam informações que são necessárias para construção da investigação de forma clara e objetiva como também em emitir relatório bem elaborado e coeso, com dados relevantes para conclusão da investigação a fim de subsidiar as ações preventivas e controle eliminando o risco de disseminação da doença.

OFICINA DE ANÁLISE DE SITUAÇÃO COM FOCO NO MONITORAMENTO PARA TOMADA DE DECISÕES

O conhecimento oportuno da situação de saúde  na oficina de Análise de Situação com foco no monitoramento para a tomada de decisões, ocorrida no 4º Congresso Norte e Nordeste de secretarias municipais de saúde, foi abordado um tema essencial para o setor saúde, principalmente para área de vigilância, que é o uso dos dados e informações produzidos pelos diversos sistemas informações da saúde. Foram realizadas duas palestras que focaram ângulos diferentes desta temática.

Na primeira o Dr. Juan Cortez enfatizou o uso da análise e a síntese dos dados como meio para gerar conhecimento da situação de saúde e dar subsídios ao gestor na tomada de decisão. Na Segunda Regina Coeli, apresentou o Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde - PQA-VS que compõe o conjunto de iniciativas do Ministério da Saúde para o aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Este instrumento desenvolvido pelo Ministério da Saúde fomenta a melhoria dos dados produzidos pelas Secretarias Municipais de Saúde, tendo em vista que, uma das diretrizes do PQA-VS é estimular a gestão baseada em compromissos e resultados, expressos em metas de indicadores pactuados.   "A oficina foi uma oportunidade bem aproveitada pelos participantes para aprender e discutir um pouco mais sobre a importância dos dados e informações produzidas dentro do seu ambiente de trabalho", ressaltou Gerente da Sala de Situação de Saúde, Wagner Santos.

Para a Secretária Técnica Executiva da RIPSA/TO, Danielle Rios, a oficina contribuiu grandemente para ampliar os conhecimentos sobre o tema. “Considerando que a ASIS é um dos instrumentos da Saúde baseada em evidências e que são processos contínuos e estratégicos de análise e síntese, que permitem descrever, explicar e avaliar a tríade saúde-doença-atenção em população e contextos definidos”, afirmou.

Entendemos que é necessário levar em conta os seus determinantes sociais, com a finalidade principal de gerar evidências válidas e oportunas  para informar a decisão em saúde pública.  Também refletimos sobre a grande necessidade do Gestor  em conhecer a situação de saúde da sua população, conforme a fala do Drº Juan Cortez “Influenciar o processo decisório, auxiliando na priorização, na formulação e na avaliação de Políticas de Saúde”, finalizou.