Técnicos do Ministério da Saúde realizaram em Palmas a Oficina de Fortalecimento da Rede CIEVS

Oficina Rede CIEVS Oficina Rede CIEVS -
Oficina Rede CIEVS Oficina Rede CIEVS -
Ana Paula - CIEVS Palmas.JPG Ana Paula - CIEVS Palmas.JPG -
Simone Dias - Técnica DVHA-SES.JPG Simone Dias - Técnica DVHA-SES.JPG -
Oficina Rede CIEVS Oficina Rede CIEVS -

Fortalecer as ações de vigilância em saúde da Rede Cievs, fomentar a captação de notificação oportuna e identificar as necessidades do Estado e municípios.

Com este objetivo, o Ministério da Saúde (MS) promoveu uma Oficina de Fortalecimento das Capacidades de Vigilância e Respostas às Emergências em Saúde Pública, com a participação de técnicos do CIEVS estadual e municipal, técnicos da Vigilância Sanitária (Visa) estadual e municipal, técnicos dos Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (NVEH), áreas técnicas da Vigilância estadual e técnicos da Secretaria de Saúde Palmas.

O evento teve início na segunda-feira (3) e finalizou nesta terça-feira (4), no auditório do prédio da Superintendência de Vigilância (SVPPS), em Palmas.

Os técnicos do Ministério da Saúde fizeram uma apresentação abordando a importância da Rede CIEVS como ferramenta para enfrentamento das emergências em saúde pública. “Estamos fazendo um levantamento das necessidades e sensibilizando os profissionais de saúde para detectar os agravos a fim de obter respostas oportunas”, destacou o técnico do EpiSUS, Marcelo Wada.

Daniel de Freitas, coordenador do Centro de Gerenciamento de Informações sobre Emergências em Vigilância Sanitária (eVisa/Anvisa) do Ministério da Saúde, abordou a nova Rede de Emergência de Saúde Pública da Vigilância Sanitária e frisou a importância do CIEVS neste processo. “O CIEVS será a ponte de comunicação para enfrentamento das emergências em saúde pública na Vigilância Sanitária, por isso essa parceria é muito importante”, relatou.

Felipe Duailibe, técnico do Ministério da Saúde, também ressaltou a importância do CIEVS na Vigilância. “O CIEVS é a porta de captação de emergências em saúde pública, que utiliza mecanismos de comunicação avançada para o enfrentamento destas emergências, obtendo respostas oportunas e um monitoramento mais adequado”, afirmou.

Felipe Duailibe acrescentou que, o Fortalecimento da Rede CIEVS tem o intuito de melhorar a comunicação e a notificação oportuna às respostas de emergência em saúde pública no Brasil.

A gerente do CIEVS-TO, Arlete Otoni, apresentou a estrutura, funcionamento, reconhecimento, dificuldades enfrentadas pelo setor e destacou a importância deste evento para o fortalecimento da Rede. “O fortalecimento da rede é através da integração com os setores que são envolvidos nas emergências em saúde pública para uma ação mediata e efetiva com respostas oportunas e coordenadas aos gestores”, afirmou.

Para a Técnica do Cievs Municipal, Ana Paula, a Oficina foi de extrema importância pela elucidação das divisões de papéis entre as áreas técnicas e Cievs. “A oficina contribuiu para o estreitamento, esclarecimento e principalmente o fortalecimento dos papéis de cada um.” Frisou.

No mesmo sentido, Simone Dias, técnica da DVHA/SES, citou que a oficina fortaleceu como profissional de saúde pública e aumentou a auto-estima em trabalhar em equipe. “A iniciativa do CIEVS foi excelente, pois nós profissionais das áreas técnicas, sentimos orgulho em poder contribuir com as estratégias de fortalecimento para enfrentamento das emergências em saúde pública”, disse a técnica.

Atuação

Nos últimos anos, a percepção de mudanças importantes no padrão de ocorrência das doenças infecciosas e na dinâmica de transmissão dos seus agentes, bem como, a ocorrência do elevado número de agravos inusitados, catástrofes e outras, tem ocasionado uma grande incidência de surtos e epidemias.

Nestes dez anos de atuação no Estado, o CIEVS/TO vem trabalhando de forma eficaz, fortalecendo a capacidade do Sistema Estadual de Vigilância em Saúde, captando, recebendo e monitorando as notificações de doenças e agravos da lista Nacional de Notificação Compulsória e eventos inusitados, que são informadas por fontes oficiais e/ou não oficiais (rumores), através de mídias, redes sociais e telefones com acesso durante 24 horas, por sete dias da semana e 365 dias do ano.