Tabagismo

Tabagismo_400.jpg Tabagismo.jpg -

Cigarro: do glamour ao vício que mata. Se nos anos 50 fumar era sinônimo de glamour, principalmente entre os atores de Hollywood e personalidades, com o passar dos anos, o cigarro foi se mostrando um vício maléfico, difícil de largar e com consequências graves para seus usuários. Até poucos anos atrás, era comum bares e restaurantes dedicarem áreas para fumantes e não fumantes, assim como aviões, hotéis, entre outros.

Atualmente, as restrições são muitas, incluindo lugares abertos como praias, parques e praças. Lugares fechados no Brasil já não permitem mais, de nenhuma maneira. Até mesmo na hora de encontrar um emprego, o tabagismo pode ser um problema. Antes o hábito de fumar era uma maneira de socializar, conversar. Hoje, parece que os fumantes acabam se sentindo constrangidos ao acender um cigarro.

Mas, se socialmente está cada vez mais complicado ser fumante, por que o número de tabagistas ainda é tão alto? A explicação é simples: porque o cigarro contém nicotina, um composto orgânico proveniente das folhas do tabaco. A nicotina fumada, é absorvida rapidamente nos pulmões, vai para o coração e, através do sangue arterial, se espalha pelo corpo todo e atinge o cérebro.

No sistema nervoso central, age em receptores ligados às sensações de prazer. Esses, uma vez estimulados, comunicam-se com os circuitos de neurônios responsáveis pelo comportamento associado à busca do prazer. De todas as drogas conhecidas, é a que mais dependência química provoca. Vicia mais do que álcool, cocaína, morfina e crack.

A nicotina é uma droga que gera dependência e é encontrada em todos os derivados do tabaco (charuto, cachimbo, cigarro de palha etc.). Ela atinge o cérebro entre 7 a 9 segundos e libera várias substâncias (neurotransmissores) que são responsáveis por estimular a sensação de prazer. Com a ingestão contínua da nicotina, o cérebro se adapta e passa a precisar de doses cada vez maiores para manter o mesmo nível de satisfação que tinha no início. Esse efeito é chamado de tolerância à droga.

O cigarro contém cerca de 4.720 substâncias tóxicas. Além das mais conhecidas, como nicotina e monóxido de carbono, a fumaça do cigarro possui substâncias radioativas como polônio 210 e cádmio (aquele das baterias dos carros).

Com o passar do tempo, o fumante passa a ter necessidade de consumir cada vez mais cigarros. Com a dependência, cresce também o risco de se contrair graves doenças, que podem levar à invalidez e à morte.

Doenças causadas pelo cigarro

O cigarro pode causar diversos problemas de saúde, como câncer de pulmão e do aparelho digestivo, dificuldades respiratórias, infarto, derrame, infecções respiratórias, impotência sexual no homem, entre outros. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que, no mundo, o cigarro é a maior causa de mortes que poderiam ser evitadas. Quase 5 milhões de pessoas perdem a vida por ano em razão do tabagismo, cerca de 10 mil por dia.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), um ano após largar o cigarro, cai pela metade o risco de morte por infarto do miocárdio (o músculo que forma o coração) e no período entre 5 e 10 anos após largar o vício, as chances de sofrer um infarto serão iguais às de pessoas que nunca colocaram um cigarro na boca. Ciente dos malefícios vale lembrar que recentemente, o Ministério da Saúde divulgou que 18,8% da população brasileira são fumantes.

Tabagismo passivo

O tabagismo passivo é a inalação da fumaça de derivados do tabaco por indivíduos não fumantes, que convivem com fumantes em ambientes fechados. Essa é a 3ª maior causa de morte evitável no mundo, depois do tabagismo ativo e ao consumo excessivo de álcool. Em adultos, o tabagismo passivo causa um risco 30% maior de câncer de pulmão e 24% maior de infarto do coração do que os não fumantes que não se expõem.

Nas crianças, a exposição à fumaça do tabaco gera maior frequência de resfriados e infecções do ouvido médio, risco maior de doenças respiratórias como pneumonia, bronquites e exacerbação da asma.

Depois de tantos malefícios, que tal parar de fumar?

Para quem quer parar de fumar, a coisa mais importante é a vontade de deixar o cigarro. É ter a consciência de que fumar é prejudicial e querer parar! Uma dica importante é ligar para o Disque Pare de Fumar, do Ministério da Saúde (tel. 0800-61-1997).
Os atendentes irão ouvir o seu caso e encaminhá-lo para a unidade mais próxima de saúde de sua cidade para que realize o tratamento.

Parar não é tarefa fácil. O cigarro provoca uma crise de abstinência insuportável. Sem fumar, o dependente entra em um quadro de ansiedade crescente, que só passa com uma tragada. Enquanto as demais drogas dão trégua de dias, ou pelo menos de muitas horas, ao usuário, as crises de abstinência da nicotina se sucedem em intervalos de minutos.
Por outro lado, vivemos em uma sociedade livre e democrática. A informação sobre os malefícios do cigarro estão à disposição, inclusive nas embalagens. É preciso orientar o fumante, porém não é possível obrigar ninguém a parar de fumar, mesmo porque o primeiro passo para o sucesso do tratamento é a força de vontade.

Sintomas de abstinência de Nicotina

Experimentar sintomas de abstinência após longos intervalos de tempo sem fumar é o sinal mais característico de tabagismo.

Esses sintomas de abstinência são:

Irritabilidade;

Frustração;

Explosões de raiva sem motivos relevantes;

Impaciência;

Fadiga;

Ansiedade;

Dificuldade para se concentrar;

Distúrbios de sono, que podem ser insônia ou dormir mais que o habitual;

Queda de produtividade em tarefas rotineiras.

Os gatilhos: vilões da força de vontade

A cada três fumantes que tentam parar de fumar, apenas um tem sucesso. Se você já decidiu que vai parar de fumar, é preciso estar atento às razões que desencadeiam a vontade de acender um cigarro. Conhecê-las será parte fundamental do sucesso do tratamento. Conheça os principais gatilhos:- Sentir-se estressado;

- Sentir-se com uma baixa autoestima;

- Falar ao telefone;

- Ingerir bebidas alcoólicas;

- Assistir à TV;

- Dirigir;

- Terminar uma refeição;

- Jogar cartas;

- A hora da pausa no trabalho;

- Estar com outros fumantes;

- Beber café;

- Ver alguém fumando;

- Fazer reflexões depois de uma briga ou situação estressante;

- Sentir-se solitário (a);

- Depois de fazer sexo.

Eu quero parar!

Para aqueles que já decidiram que é hora de parar, a melhor atitude é procurar ajuda médica. Muitos planos de saúde possuem programas específicos para os fumantes. O sistema público de saúde também oferece orientação e tratamento.

Inicialmente são feitos exames, principalmente raios-X do tórax, espirometria, entre outros testes para checar se a saúde está boa. Em seguida, o médico avalia em que nível de vício o fumante se encontra para aí então prescrever o melhor tratamento. Atualmente alguns medicamentos são utilizados, juntamente com psicoterapia.

Confira aqui algumas dicas para ajudar no tratamento:

1 - Escolha um dia para deixar o cigarro;

2 - Tenha sempre água perto de você, no trabalho, no carro. Ao pensar em acender um cigarro, tome água;

3 - Evite café e refrigerantes. Se possível elimine o café da sua dieta no período de desintoxicação;

4 - A ansiedade tende a aumentar quando não há mais nicotina no organismo. Prepare cubos de cenoura, pepino, tomate e coma. Não caia na tentação de descontar em alimentos calóricos como doces, chocolates. Não use a desculpa que parar de fumar engorda, o que engorda é comer demais;

 5 - Fuja das bebidas alcoólicas: o álcool é um gatilho importante para o cigarro. Não troque um pelo outro;

6 - Mude sua rotina: algumas pessoas fumam depois de comer, de fazer sexo, no trânsito. Encontre outras atividades para fazer, substitua;

7 - Faça atividade física: procure fazer caminhadas, andar de bicicleta, dançar, enfim encontre um exercício que dê prazer;

8 - Mantenha-se ocupado: não fique parado, além da atividade física, encontre tempo para ir ao cinema, arrumar armários, passear com o cachorro. Se possível faça uma atividade manual, pintura, bordado, encontre um passatempo;

9 - Fuja dos fumantes: estar no processo de parar de fumar e frequentar lugares em que pessoas estejam fumando é realmente torturante. Evite ao máximo;

10 - Não desista: Nem todo mundo consegue parar de fumar na primeira tentativa. O importante é recomeçar. Mas antes, faça um diário, veja o que deu errado, o que deu certo.

 

Além disso, parar de fumar ocasiona melhoras significativas na qualidade de vida do fumante, como, por exemplo:

- Melhora na capacidade respiratória

- Melhora da disposição diária

- Melhora na capacidade respiratória

- Melhora da performance sexual

- Pele mais saudável

- Vida mais longa

O tabagismo é uma doença grave e precisa de tratamento adequado. Parar de fumar pode ser complicado, mas saiba que você não está sozinho.